Total de visualizações de página

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Como me tornei ateu



Importa que todos conheçam um pouco da minha história com a religião ou relacionamento com Deus para entender o porquê de minha postura um tanto agressiva quando se trata deste tema. Fui criado em lar evangélico e sempre fui forçado a ir à igreja durante a infância, mas aos 11 anos me negava a tal sacrifício, veementemente, até que meus pais desistiram de insistir. Minha pré-adolescência foi marcada por uma série de conflitos existenciais comuns a idade. Mas...

Aos 14 anos, surgiu em mim o que eu pensava ser ‘um vazio existencial’ e procurei uma igreja local para assistir aos cultos e tentar saciar-me daquela ‘sede’ (maldita seja para todo sempre, amém!). Então decidi aceitar a Cristo no dia 05 de maio de 2002. Foi uma noite marcante, não posso esquecê-la! Era um culto fervoroso, estava acontecendo um movimento diferente naquele lugar. Por ter sido criado na igreja, sabia que se tratava do ‘mover do Espírito Santo’, um fenômeno comum nas igrejas pentecostais. Pessoas saltavam, andavam como zumbis, falavam em línguas, etc.

Surpreendentemente, eu fui pego pelo mesmo ‘mover’ poucos minutos após sentar-me na cadeira. Tentava falar em português, mas a língua enrolava involuntariamente. Foi uma sensação muito especial. Encantado com os espetáculos da fé, eu mergulhei fundo no reino divino. Deus ocupava o meu pensar dia após dia. Quando nem me dei conta do que estava acontecendo comigo, em menos de seis meses eu era o que se poderia chamar de ‘beato gospel’!

O fanatismo já havia se apoderado de mim. Era muito legalista (santarrão), por influência das pregações que ouvia na igreja, abandonei antigos amigos e hábitos, inclusive as vestimentas eram outras. Mas não demorou muito para que o paraíso de Deus se tornasse um inferno. Aos poucos os sermões da igreja que variavam entre ênfases sobre a importância das roupas para agradar a Deus e profecias foram causando sérios danos à saúde de minha mente e de meus amigos. Chegou uma época em que não podíamos assistir TV e nem andar com shorts.

Quanto às profecias segue-se o que ouvíamos: - Deus vai matar muita gente nessa cidade! Deus está me dando visões de muitos caixões e sangue! Cuidado com Deus, ele é amor, mas é fogo consumidor! Deus vai te passar no moinho, crente! A mão de Deus vai pesar sobre você! Essas eram as mais brandas palavras do Deus de amor!

As pregações causavam um sentimento de culpa nos jovens e demais fiéis que compreendiam o teor das mensagens. Isso transformou-se em uma terrível depressão que abateu praticamente quase toda a mocidade! Na época eu pensei duas vezes em suicídio, chegando a colocar a faca nos punhos, mas me faltava à coragem (sorte a minha!)...

E assim foi a minha vida por malditos 5 anos nas igrejas: Depressão, auto-repúdio, raros momentos de alívio na alma e muita revolta diante de tanta injustiça cometida pelos sacerdotes! Tentei até mudar de igreja pensando que outro ministério poderia me fazer bem, mas foi trocar 06 por meia-dúzia. No outro ministério a lavagem cerebral era de igual a pior. Fique chocado: os líderes nas igrejas se metem tanto na sua intimidade que até seus desejos sexuais tem que ser confessados aos homens de Deus! Que absurdo, não? Imagino quantas masturbações aqueles tarados não tiveram às custas de minhas confissões!
O meu caso era especial, pois eu aprendi a me odiar na igreja, uma vez que eu era (e ainda sou) gay! Buscava de todas as formas a prometida libertação do ‘demônio da homossexualidade’ ou dos traumas de infância que possivelmente eram a ou uma das causas da minha sexualidade pervertida! (Nem eles têm certeza do que pregam!) Mas, nada mudava aquilo em mim! Frustrado comigo mesmo, com Deus por ser tão omisso e com a igreja por ser tão cruel! Decidi largar tudo para não morrer fisicamente, pois por dentro eu já havia morrido há tempo!

A frustração me possibilitou raciocinar, por que se tem uma coisa que a igreja odeia são livres pensadores! Não é de se surpreender já que eles apenas seguem o exemplo do próprio Deus que odiou a atitude de Adão por ter comido o fruto da árvore do CONHECIMENTO do bem e do mal (Gn 02:17). Não foi a maçã, queridos!(). Não é pra menos que eles odeiam o conhecimento que não seja o bê-á-bá bíblico! Pois a razão liberta qualquer um da escravidão da religião (Jo 08:32).

Bem, me dei a chance de ouvir algo que seria libertador para minha vida e ao mesmo tempo doloroso: Descobri que o Deus a quem eu sacrifiquei 05 anos da minha vida, e por quem eu odiei a mim mesmo, não passava de uma mentira, criação humana! Cheguei à conclusão disso após ler vários artigos ateístas e a falácia da fé não pôde sobreviver aos fatos!

Hoje sou ateu e homossexual assumido! Quero ‘gritar’ pra todos ouvirem que sou muito feliz comigo mesmo! Respeito às leis dos homens, amo a família, tenho meus próprios limites, pois não sou a favor de uma vida desregrada! Porém o terror não faz parte da minha vida, nunca mais! Amém.






Depoimento de Elias, 23 anos, Professor de Inglês, Residente em Felipe Guerra/RN

domingo, 7 de agosto de 2011

A CONTRA-HISTÓRIA


A CONTRA-HISTÓRIA

O padre condena a pedofilia, o deputado chama o povo de corrupto, o pastor vende o cartão de crédito do céu e acusa o fiel de blasfêmia
O redondo cobra do torto retidão, a mulher do seu filho varão que seja macho, o impotente cobra ereção do saudável
O papa satanisa o ateísmo, a polícia proíbe o tiro de espoleta e atira de escopeta na própria polícia fardada
O cego diz que o míope não vê, o agnóstico diz que o carola não crê, a prostituta protege os bons costumes
O gay encubado, que não se assume, ataca os gays com quem dormiu, o maior dos ladrões vigia a delegacia, o louco acusa o sábio de loucura
Manda o incapaz, o bandido vira capataz, a competência se priva, a companhia telefônica acusa o cliente de roubar os próprios créditos, a agência não devolve o dinheiro por que nunca erra, como um oráculo
O correto é que precisa de advogado, o sargento vai para a cadeia, dinheiro se guarda na meia, o invasor é o habitante da aldeia e não o da cidade
O traidor odeia a infidelidade, o bêbado acusa o sóbrio de boêmia, o bancário fala mal da burguesia
O ditador acusa a liberdade de tirana, o miserável chama de pobre a cama da classe média, os Estados Unidos chamam o Iraque de terrorista
O culpado procura uma pista que culpe o honesto, o bispo acusa o pajé de charlatanismo, a companhia de água vende barro na pia e cobra dobrado
A companhia de energia em vez de devolver os bilhões acumulados indevidamente, sobe o valor dez vezes enquanto promete que a conta do cidadão ficou mais reduzida
A gasolina sobe de preço apesar do pré-sal, os jornalistas são assassinados, virando a própria notícia

A Europa é que fale, os desordeiros deturpam a anarquia, o alienado chama o mundo de fantasia, a História é destruída pelo poder público, que jura ser para o bem

E o poeta escreve para um Brasil analfabeto
ATEU POETA
Pacoti-CE, 1h e 47 min
04/08/2011

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Como me tornei ateu



Minha história é muito simples...

Criado católico até final da puberdade até que então eu decidi ler a bíblia inteira e, logo após isso, ler simples livros do ensino médio.

Isso já bastou para mim e, quanto mais aprendo, mais me afasto de qualquer fé e religião.

Sou um dentre muitos ateus que se tornaram ateus por terem lido a bíblia...





Depoimento de Felipe, 20 anos, estudante, morador de Goiânia/GO