Total de visualizações de página

domingo, 17 de julho de 2011

DELÍRIO DO ATEÍSMO

1.DELÍRIO DA RAZÃO

Seria o ceticismo uma evolução genética, uma propensão genética para não crermos naqueles que nos enganam como mecanismo de defesa, a fim de garantir a auto-preservação?

O ateu, um dos modos de ceticismo que existe, seria, assim, um ser evoluído, num dos testes de sobrevivência do DNA?


Não, não há diferença no DNA, logo, não é um ser propenso a substituir ou desvanecer da face da Terra. Porém, existe algo de especial no ateu que já foi religioso e consegue, apesar da lavagem-cerebral cultural sofrida por anos a fio, chegar a um certo grau de sanidade que, talvez, nem todos possam adquirir: a chamada resiliência.

O resiliente, como se diz na filosofia a partir da psicanálise, seria o ser capaz de vencer a própria cultura, que consegue vencer todas as barreiras intelectuais e criar a própria moral, o que, de fato, não existe. Contudo, existe algo parecido, o ceticismo, que, em ultimo grau, assim como o delírio, causa equívoco no sujeito tão forte que este será capaz de afirmar que nada existe, logo, isso é uma grande ilusão racional, um delírio da razão, que, provavelmente, leva à loucura pela incapacidade do cérebro humano, de hoje, de lidar com informações contrárias, o que provoca vômitos, mal-estar e outros mecanismos de evacuação do veneno que o corpo produz nessas ocasiões, que, se não evacuar, talvez virem coágulos, que desencadeiam em outras complicações psicossomáticas ou fisiológicas.

2. DELÍRIO DA FÉ

Possuímos mecanismos de conservação que, como a natureza em si, são falhos. Um deles é referente à perseguição. A coisa mais fácil do mundo é achar que alguém nos quer mal, mesmo que esse alguém não exista, imaginamos que ele nos vigia, para algum fim contra a nossa vontade e bem-estar, o que seria uma ilusão.

Ilusão é uma coisa comum a todos; ver o que não está ali, escutar vozes sem um interlocutor humano, sentir calafrios, etc. Todavia,quando uma ilusão surge muito forte chama-se delírio e o delírio permanente pode ser um começo de loucura, que se desenvolve por vários meios, um deles é a síndrome do pânico, outro seria a esquizofrenia, que devem ser controlados com psicotrópicos, aquela tem cura e este não.

Também há surtos temporários dos quais todos estamos propensos a ter, havendo, é claro, os fatores de risco, cujo principal deles seria o uso de psicodislépticos, tanto euforizantes, como o álcool, ópio e cocaína, quanto alucinógenos, como lidocaína e amido de do ácido lisérgico.

Fatores externos como a música, escultura e pintura nos levam a leves ilusões, principalmente quando atrelados a outros fatores de risco, como o uso de psicodislépticos e longos jejuns, podendo, desse modo, encaminhar para um estado de alucinação profundamente delirante, e quando surge o estado de euforia é que se torna mais forte a sensação que desencadeia uma loucura tão profunda que muitos dirão ter participado de experiências transcendentais.

Não é estranho que a maioria das grandes alucinações aconteçam quando estamos desatentos, por um período de fraqueza física ou emocional?

Isso é um conhecimento que vem desde a antiguidade, muito provavelmente, desde as formações das supostas primeiras tribos, transmitido apenas para xamãs, druidas, pajés e outros tipos de sacerdotes, e, talvez, tenha caído em mãos de alguns outros, que, aliados aos sacerdotes, ora superiores, ora inferiores a eles, os ajudaram a governar ou os subjugaram, forçando-os a usar seus conhecimentos científicos, se é que assim podemos chamar, e ritualísticos, para persuadir todos aqueles que deveriam obedecer, daí, terceiros foram induzidos a servir de guardiães daquela pequena elite.

Para os céticos existem dois caminhos: Primeiro, comprá-los. E, provavelmente, muitos deles assumiram o poderio religioso, militar e ambos, ou viraram nobreza ociosa, que apenas luxava.

Daí, alguns deles viraram grandes artistas, o que fez com que se desenvolvessem técnicas mais eficazes de transformar uma pequena tribo num grande império, por que foram criadas linguagens universais através da arte, facilitando o poderio de todas as formas possíveis antes e depois das guerras com outros povos e a controlar revoltas internas, justificando-se os castigos e divulgando-os como exemplo através de pinturas, esculturas, músicas e, mais tarde, da escrita.

A escrita, atrelada às demais belas-artes, criava outras artes, como a literatura e virou, hoje, talvez, a maior arma de persuasão de todas, principalmente por que a maioria não tem pleno acesso a ela diretamente, o que a torna praticamente de uso elitista.

O segundo modo de lidar com os céticos foi matá-los. Mas, isso faz com que se crie mártires, alimentando, assim, a fé de outros. O incrível é que a própria fé que inibe o ceticismo o alimenta, uma vez que se cria uma falsa verdade sob a qual se deva acreditar sem ver e ao mesmo tempo despreza as verdades alheias.

Isso é o grande delírio da fé que gerou sempre conflitos intermináveis de causas vazias e absurdas; tanto serviu para manter grandes impérios quanto para criar cisões até mesmo dentro do círculo familiar que temos vivenciado nessa era capitalista de início de século 21.

3.DELÍRIO EMOCIONAL

A razão por si mesmo não existe, ela é um mecanismo de sobrevivência completamente dependente dos sentimentos, assim como esses os são em relação aos sentidos e à interpretação neural que aprendemos a chamar de mente, logo, o fator emocional é capaz sim de provocar delírios.

Um sujeito em quadro depressivo forte poderá, sem medicação, evoluir para um quadro neural complicado, como um surto psicótico? Tudo indica que sim, uma vez que a razão só existe enquanto houver sentimento. O pensamento é induzido diretamente pelo quadro clínico do paciente em questão, que, uma vez debilitado emocionalmente não permanecerá são, caso seja essa debilidade um fator agravante que se alastre perene e gradativamente.

Fala-se muito em inteligência-emocional, mas isso já é um delírio da psicanálise, que, por sua vez, usa meios profusamente místicos de Freud, Jung e Ana Freud. Já se perguntou se a "inteligência-emocional" existe ou se o que existe é uma simples técnica de fingimento sem a qual os grandes negócios podem ir pelo ralo, não passando apenas de inibição emotiva, que de algum modo terá que ser extravasada mais tarde?

O capitalismo não é delirante? Nós fomos criados num mundo de mentiras, onde tudo é pecado, mas pra onde vão nossos impostos? E, pra vai o dinheiro do dízimo?

DELÍRIO DO ATEÍSMO

Elaborei uma lista sobre os 14 modos possíveis de fé. Em vez de deus uso a palavra Lobão e, substituo todas as demais formas místicas inferiores por lobinho. Caçador é empregada para significar fé. Super-caçador significa desespero, lobo é aquele que consegue voltar ao estado natural de quase sanidade. Não-caçadores são os de mente sã completamente, no quesito religioso apenas.

Criei o termo Adeísta para separar ateus místicos de ateus puros. Ser ateu puro é o mail elevado grau de sanidade, já ser ateu-cético-extremo é um erro; é o que poderíamos chamar de delírio do ateísmo.

O ceticismo extremo é sempre um erro, logo, ser deísta, teísta, pandeísta ou panteísta, no quesitó cético é o mais alto grau de delírio da fé e da razão simultaneamente. Já é delirante ter fé, seja ela ainda um resquício, como no agnosticismo e no adeísmo ou forte, como nos outros modos de crer, uni-las à razão é um super-delírio supernatural psicossomático.

Caçadores: 3 (Adeísta ou Ateu-teísta), 4 (Agnóstico puro), 5 (Teísta puro), 7 (Deísta puro), 9 (Panteísta puro) 11( Pandeísta puro).

Super-caçadores: 6 (teísta-cético), 8 (Deísta-cético), 10 (Panteísta-cético), 12 (Pandeísta-cético).

Lobo-caçador: 13 (Cosmoteísta-agnóstico ou Teísta-adeísta-agnóstico)

Lobo-não-caçador: 14( Cosmoteísta ou teísta-adeísta-ateu)

Não-caçadores: 1 (Ateu puro ou ateu-cético), 2 (Ateu-cético-extremo)

1.Ateu-cético-extremo : Se caçar, caça a si mesmo. Todos somos, de certa forma, céticos e crentes, pois, nossas verdades ora quebram ora são únicas, o exagero gera um super-não-caçador que não caça por não saber se ele próprio existe. Já não tem certezas sobre a existência de nada. Nem o próprio caçador existe, nem lobos e nem não-caçadores.

2. Ateu puro ou Ateu-cético : Sabe que a caça não existe. Alguns nunca caçaram, outro se libertaram do vício de caçar.

3. Adeísta ou Teísta-ateu : Sabe que o Lobão não existe, então, caça apenas os lobinhos. Às vezes ele próprio cria seus lobinhos, inspirado em outras matilhas inexistentes, só pelo prazer de caçar.

4.Agnóstico puro : Não sabe se deve caçar ou soltar o mosquete.

5.Teísta puro: Caça Lobão e lobinhos. Quem não caça em seu bosque é louco.

6.Teísta-cético: Se existir, caça Lobão e lobinho com empenho sobre-humano. Nunca desiste de tentar provar a existência deles.

7.Deísta puro : Só existe o Lobão a caçar. Não existem lobinhos.

8.Deísta-cético : Faz esforço sobre-humano para provar a existência do Lobão. nunca desiste.

9.Panteísta puro: Caça em todos os bosques, Lobões e lobinhos.

10.Panteísta-cético: Se existir, caça todos os Lobões e lobinhos de todos os bosques com esforço sobre-humano para provar a existência de todos.

11.Pandeísta puro: .Se existir, caça todos os Lobões, em todos os bosques, por que lobinhos não existem

12. Pandeísta-cético: Se existir, caça todos os Lobões, em todos os bosques com empenho sobre-humano, e tenta sem cansar provar suas existências.

13.Cosmoteísta-agnóstico ou Teísta-adeísta-agnóstico: Se imagina caçador-lobinho por que o Lobão é o próprio universo, logo, se encontra em seu estômago, de onde jamais sairá, não podendo, assim, provar-lhe a existência.

14. Cosmoteísta puro ou Teísta-adeísta-ateu: Não caça por ser o próprio Lobão. Tudo o que existe são lobinhos, inclusive ele, e se juntar tudo, essa fusão é o próprio Lobão, que não existe isoladamente à parte. Os caçadores também são lobinhos.

ATEU POETA
Pacoti-Ceará

Um comentário:

  1. isoo, vai nessa , mas tudo isso já nos foi advertido....gloria Deus por essas coisas estarem acontecendo, pois se aproxima a chegada...toda essa descrença em Deus é necessaria para que se cumpra o que está na biblia.Vocês so estão aumentando a fé daqueles que leem as escrituraas.
    Deus abençoe.

    ResponderExcluir